AMRIGS - Associação Médica do Rio Grande do Sul
    
 
Área do Associado



 


 

 
   
 

Baixa procura por vacinação pode agravar índices de mortalidade infantil

Desafio do Rio Grande do Sul é manter o índice em um dígito e garantir as iniciativas que já vêm sendo feitas para mudar o cenário 

Os pediatras estão preocupados com a diminuição dos serviços prestados, como as imunizações, que têm apresentado um índice abaixo do esperado em diversas cidades do Brasil e do Rio Grande do Sul. Esta situação, de acordo com pediatra da Sociedade de Pediatria do estado (SPRS) Érico Faustini pode prejudicar o trabalho histórico que tem sido feito para a redução dos índices de mortalidade infantil. No ano passado, de acordo com o especialista, o RS atingiu, de forma pioneira, a estatística de um dígito, 9,97 a cada mil nascidos vivos.

- Não vemos muita motivação em termos de divulgação e, às vezes, falta vacina também. Observamos a volta de muitas doenças que já estavam controladas, colocando em risco a vida das crianças, que podem morrer pelas mesmas – destaca o pediatra.

Enquanto a estatística de mortalidade infantil apresentou um pequeno acréscimo em outros estados, o desafio dos gaúchos é manter o índice histórico alcançado e tentar reduzi-lo ainda mais, como demonstram os resultados parciais de 2018.

- O Rio Grande do Sul vem apresentando uma queda significativa nos últimos quinze anos, resultado de ações específicas e constante combate à mortalidade infantil. Entre elas, identificação e apuração das causas de óbitos; melhorias na assistência perinatal, pré-natal e na hora do parto. Este último faz parte da regionalização do parto, que ofereceu maior segurança à gestante e ao bebê – explica Faustini.

O investimento em UTI's neonatais e o acompanhamento de crianças prematuras também garantiram os resultados positivos, de acordo com o médico.

Por enquanto, as principais causas de óbito no Rio Grande do Sul são as afecções do período perinatal, que se originam na gravidez e podem afetar o feto, como diabete ou hipertensão, e infecções como sífilis e urinária, que podem desencadear parto pré maturo.

Em maio, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou uma notícia alertando sobre os reflexos do cenário econômico na saúde e nas medidas tomadas pela redução da mortalidade infantil no país.

Fonte: Francine Malessa/PlayPress
Fotos:
Data: 18/07/18      Atualizada em: 18/07/18
Tags: mortalidade infantil , vacinação , Rio Grande do Sul , pediatria , Sociedade Brasileira de Pediatria , poliomielite , sarampo , rubéola ,









 
ARTIGOS

A fragilidade da democracia da República do Brasil
Dr. Albino Julio Sciesleski
Conscientização e prevenção sobre a Doença Falciforme
Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Em defesa do plano de carreira no setor público
Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Ver Todas
JORNAL AMRIGS

Ver Todas
REVISTA DA AMRIGS

Ver Todas
AMRIGS NA MIDIA

Ver Todas